Copyright © 2020 Instituto do Câncer Doutor Arnaldo Vieira de Carvalho

quimioterapia

A quimioterapia espalha-se por todo o organismo e combate as células cancerosas onde quer que elas estejam. Neste processo, o tratamento atua prejudicando principalmente a reprodução dessas células, de crescimento rápido, mas infelizmente também afeta as células normais, mesmo que atacando de forma menos intensa. 

Outras células normais, de crescimento também rápido, como as responsáveis pelo crescimento do cabelo, substituição do epitélio das paredes dos intestinos e as da medula óssea acabam sendo também significativamente afetadas. 

Da mesma forma, essas drogas - chamadas citotóxicas - atacam mais os tumores novos e mais diferenciados. Posteriormente, se a doença progride, os tumores ficam mais indiferenciados e tornam-se menos responsivos aos agentes quimioterápicos. Todo medicamento pode trazer efeitos colaterais e os quimioterápicos não são diferentes. Tais efeitos dependem, basicamente do medicamento utilizado.

A era da quimioterapia começou na década de 1940 com o primeiro uso de mostardas de nitrogênio e drogas antagonistas do ácido fólico.

principais dúvidas

Posso continuar a trabalhar e exercer minhas outras atividades normalmente, mesmo durante o tratamento?
Se não ocorrerem sintomas intensos durante o período de tratamento, o paciente pode continuar com sua rotina diária normal. Muitas pessoas trabalham durante a quimioterapia, desde que sua rotina e o tipo de trabalho não interfiram no tratamento, mas é importante lembrar que existem leis que asseguram o salário daquele que se torna incapacitado de trabalhar durante algum período de tempo.

Como é administrada a quimioterapia? 
A quimioterapia pode ser feita por via tópica, oral, intramuscular, endovenosa, subcutânea e até intratecal (medula espinhal). No entanto a via intravenosa é a mais comum. Normalmente a medicação é administrada juntamente com um soro, na veia, e o paciente estará recostado numa poltrona confortável da qual pode levantar-se caso necessário.

Quantas sessões serão necessárias? E com qual frequência vou realizá-las? 
As aplicações podem ser diárias, semanais ou mensais, segundo a programação estabelecida pelo médico. O tempo de duração do tratamento dependerá do tipo do tumor, da resposta do tumor, da adaptação do paciente ao tratamento, do estágio em que a doença se encontra, dentre outros fatores. 

Quais efeitos colaterais posso sentir? Como lidar com eles? 

Esses e outros questionamentos você pode conferir no nosso manual de orientação ao paciente, clicando no botão ao lado. 

Esse material é distribuído gratuitamente no setor de Quimioterapia do ICAVC e você deve receber um no momento do início do tratamento, podendo solicitar uma cópia quando precisar.